Translate

sábado, 21 de janeiro de 2017

1972-01-00 - DECLARAÇÃO da União dos Estudantes Comunistas - UEC

DECLARAÇÃO da União dos Estudantes Comunistas
UEC

A União dos Estudantes Comunistas (UEC) acaba de constituir-se. É uma organização revolucionária pelos seus objectivos e pela sua actividade e clandestina porque a ditadura fascista nega o direito de organização. Guia-se pelo marxismo-leninismo. Reconhece o papel dirigente, do proletariado na revolução socialista e o Partido Comunista Português gomo vanguarda revolucionária do proletariado de Portugal e força política determinante no movimento antifascista. Propõe-se desenvolver o movimento dos estudantes pelos seus objectivos específicos, unir, organizar e mobilizar os estudantes em torno dos grandes objectivos políticos do povo português, estreitar a ligação da luta estudantil com a luta da classe operária, e das massas populares e dar-lhe uma perspectiva revolucionária.
A criação de UEC surge no prosseguimento da acção abnegada e consequente levada a cabo nas escolas, ao longo dos anos, pelos comunistas, acção que está na raiz do desenvolvimento e dos sucessos do movimento estudantil. Surge com base nos progressos verificados nos últimos anos pela actividade das organizações estudantis do PCP. Surge em resultado de um atento exame e de amplos debates realizados entre militantes. Surge pela necessidade de criar uma organização autónoma, dotada da mais ampla iniciativa, que amplie e estruture a intervenção dos estudantes comunistas na luta estudantil e popular.

1977-01-21 - 5º ANIVERSARIO DA UNIÃO DOS ESTUDANTES COMUNISTAS - UEC

ANIVERSARIO DA UNIÃO DOS ESTUDANTES COMUNISTAS

Sexta feira, dia 21 de Janeiro do 1977 comemora-se o 5º aniversário da U.E.C..
Com dois anos do luta em plena ditadura fascista o três anos do actividade legal, a U.E.C. e sempre esteve na primeira fila do combato ao lado de todos os estudantes, dispostos a lutar pelo derrubamento da ditadura fascista, e a assegurar, energicamente a defesa das conquistas alcançadas pós 25 de Abril; e reafirma a todos os estudantes que estejam com o Processo Revolucionário e que queiram lutar pela defesa das conquistas da Revolução, nomeadamente no campo da educação (gestão democrática, movimento associativo, etc.), o seu lugar é militar e combater nas fileiras da União dos Estudantes Comunistas.
COM A CLASSE OPERÁRIA, LIBERDADE E SOCIALISMO

21/JANEIRO 77
O SEC. DA U.E.C. GUIMARÃES

1977-01-21 - O Jovem Nº 01 - JC (ML)

O JOVEM
BOLETIM DAS JUVENTUDES COMUNISTAS (MARXISTASA-LENINISTAS)

PARTICIPA NA CAMPANHA DA JC(M-L) CONTRA A DROGA!
No número de Marco de Juventude Vermelha, órgão das Juventudes Comunistas (marxistas-leninistas), foi lançada uma campanha contra a droga. Droga que já causou a morte de jovens como Carlos Martins e Gaspar, de Coimbra, ou de um jovem aluno do Liceu D. Dinis, em Lisboa, e que faz cada dia perigar a vida de tantos outros. Juventude Vermelha desmascara a participação activa dos sociais-fascistas cunhalistas e dos seus lacaios dos «GDUPs-UDP» na viciação da juven­tude na droga, para a tornar sua presa fácil. Tal como a Gestapo de Hitler, o KGB utiliza também a droga para estimular hordas de drogados e transformá-las em verdadeiras brigadas de choque do social-fascismo, como a que é chefiada pelo nazi Calado, em Coim­bra. A JC(m-l)e a UEC(m-l) estão a formar comissões para o comba­te à droga, que procurarão alertar e esclarecer a juventude e não pouparão toda a espécie de traficantes de droga.

1977-01-21 - NÃO AO CONGRESSO SOCIAL-FASCISTA DA INTER! - OCMLP

LÊ DISCUTE DIVULGA "O GRITO DO POVO" Órgão do CC da OCMLP

NÃO AO CONGRESSO SOCIAL-FASCISTA DA INTER!

Vai ter início no dia 27, o Congresso da Intersindical social-fascista! O Congresso da Inter não é o Congresso dos trabalhadores portugueses!
Quando os trabalhadores são consultados, quando se efectuam referendos democráticos por voto universal e secreto, os social-fascistas sofrem esmagadoras derrota!
A Intersindical, é uma central sindical ao serviço de interesses estrangeiros, é uma das armas fundamentais de que dispõe o partido social-fascista do Cu­nhal parara manipular os trabalhadores portugueses, tentando fazer deles carne para canhão ao serviço dos interesses dos seus patrões do Kremlin!
A realização do II Congresso da Inter é a consolidação da cisão orgânica do Movimento Sindical Português. Os sindicatos pertencem aos trabalhadores, não são de Cunhal! Lutemos por referendos democráticos em todos os sindicatos!
A INTERSINDICAL SÓ SERVE A CUNHAL!
Lutemos por uma central sindical Democrática e Independente ao serviço dos trabalhadores, em defesa da Liberdade da Democracia e da independência Nacional!
NÃO AO CONGRESSO SOCIAL-FASCISTA DA INTER!
POR UMA CENTRAL SINDICAL DEMOCRÁTICA E INDEPENDENTE

21 de Janeiro de 1977
DEPARTAMENTO SINDICAL DO COMITÉ CENTRAL DA ORGANIZAÇÃO COMUNISTA MARXISTA LENINISTA PORTUGUESA

1977-01-21 - libertemos 12 combatentes do povo bra­sileiro! - UDP

libertemos 12 combatentes do povo brasileiro! 

A ditadura militar fascista que oprime o Povo do Brasil cometeu na madrugada de 16 de Dezembro último um crime que encheu de revolta e indignação o Povo brasileiro e a humanidade progressista.
Três dirigentes do Partido Comunista do Brasil - Pedro Pomar de 63 anos, Ângelo Arroyo de 48 anos e João Baptista Drumond de 34 anos - foram assassinados por uma força do II Exército de S. Paulo e mais doze valorosos combatentes anti-fascistas foram presos.
Pedro Pomar, Ângelo Arroyo e João Baptista Drumond e os seus companheiros agora presos eram dedicados lutadores pela libertação do seu Povo da feroz ditadura que o oprime.
Com esta miserável acção, o regime fascista brasileiro pretendeu abafar a revolta que cresce no peito de todos os explorados brasileiros. Mas a ditadura enganou-se! Por mais crimes que cometam esses lacaios do imperialismo americano, o Povo do Brasil guiado pela sua vanguarda - o Partido Comunista do Brasil - lutará ainda com mais determinação pela sua libertação total.

1977-01-21 - Luta Popular Nº 496 - PCTP/MRPP

No Conselho de Ministros de ontem
GRAVES MEDIDAS ANTIPOPULARES
• Controlo sobre os operários e ataque as CTs
• Aumento da gasolina e gás da cidade

O Conselho de Ministros, que reuniu ontem confirmou por inteiro, nas decisões que tomou, as ameaças que a entrada proferira o ministro Sousa Gomes no que respeitava à adopção das eufemisticamente chamadas «medidas de austeridade». Na realidade, um conjunto de graves medidas anti-operárias e antipopulares foram adoptadas pelo Governo socialista no Conselho de ontem. As medidas do desespero em que a profunda crise do capitalismo português mergulha todos os sectores da burguesia. As medidas da solução burguesa para a crise: da fome, da miséria e do desemprego para o povo. As medidas contra as quais é urgente que toda a classe operária se levante, de forma unida e organizada.
No conjunto das resoluções adoptadas ontem avultam as relativas a cessação da intervenção do Estado nas empresas «não viáveis», as que respeitam ao decreto do chamado controlo de gestão e através do qual se procuram liquidar as Comissões de Trabalhadores bem como os aumentos de preços de alguns combustíveis, nomeadamente a gasolina e o gás de cidade.

1977-01-21 - EXIJAMOS A LIBERTAÇÃO IMEDIATA DO ESTUDANTE ANTI-FASCISTA RUI GOMES - C.L.L.R.G.

EXIJAMOS A LIBERTAÇÃO IMEDIATA DO ESTUDANTE ANTI-FASCISTA RUI GOMES

Democratas o anti-fascistas que aqui estais hoje protestando contra o assassinato e a prisão dos anti-fascistas brasileiros!
O fascismo e o arbítrio institucionalizado da repressão e do terror, que não recua perante a tortura e o assassinato, tal como sucedeu agora no Brasil. Nós, portugueses, sabemos bem o que é o fascismo em toda a sua barbaridade. Em 48 anos sentimos na carne a miséria e a fome, a exploração e a repressão, a prisão e a tortura; os assassinatos. Por isso sabemos dar bem valor à luta que outros povos vêm desenvolvendo contra as ditaduras fascistas e a repressão que sobre eles se abate. A nossa revolta e solidariedade, é bem sentida, séria e dedicada e é também consciente. Com ela estamos a apoiar e a fazer desenvolver a luta pela liberdade, o progresso social que em muitas partes do mundo é travada.